Solução na Mídia

A persistência vitoriosa

Cinco trabalhadores revelam o caminho percorrido para vencer um longo período de desemprego.

Não existe fórmula mágica para vencer o desemprego. Mas tem gente que atravessa esse momento sem deixar a peteca cair. Cinco trabalhadores de áreas diferentes contaram qual foi o caminho percorrido até conseguirem uma nova chance.

Enéas da Silva Reis, de 40 anos, tomou um baque após cinco anos trabalhando em uma multinacional. Com curso técnico de segurança do trabalho e experiência, ele se viu desempregado com contas para pagar, casa para manter e curso universitário pela metade.

    - Comecei agastar o dinheiro da rescisão e fui atrás de oportunidades pela internet. Além disso, entreguei currículos em todos os locais possíveis. O importante é não desanimar – afirmou.

Curso gratuito

Para ele, ter um curso técnico é fundamental para voltar rapidamente ao mercado. Reis está, há um mês, na nova empresa. Aprender novas atividades foi a idéia da balconista Munique Reis, de 22 anos. Desempregada há um ano, ela ficou seis meses vivendo do auxílio-desemprego e contou com a ajuda de parentes.

Durante esse tempo, fez cursos gratuitos de telemarketing, de auxiliar de DP e informática. Há 15 dias trabalha em uma empresa de jogos no shopping.

    - Além de aprender, ganhei ajuda de custo de R$ 100. Mas não basta isso, é preciso correr atrás, distribuir currículos – ressaltou.

Os caminhos trilhados pelos dois são considerados ideais pela consultora da Solução RH, Moema Aquino.

    - Enviar currículos pela internet é uma forma de economizar o dinheiro da passagem e não se perde tempo. Fazer cursos é importante, mas é preciso focar em um objetivo – aconselhou.

O desemprego bateu à porta de Cecília Mazzone, de 42 anos, em1996. Servidora do Banerj,não esperava a demissão. Quatro meses depois, fez um curso de artesanato e buscou apoio técnico do Sebrae. Hoje confecciona bijuterias e quer formar uma cooperativa.

Carolina Bessa

29/08/2004

Vida Ganha - Extra