Solução na Mídia

Cada vez mais difícil

Taxa de desemprego entre jovens de 15 a 24 anos triplicou nos anos 90. Qualificação não garante vaga.

Todos os anos mais de 500 mil jovens iniciam a busca pela primeira oportunidade no mercado de trabalho. Sem experiência anterior, só têm vaga garantida nas estatísticas do desemprego. Nos últimos 10 anos, triplicou o percentual de desempregados com idade entre 15 e 25 anos. Hoje, a taxa de desemprego nessa faixa etária está em torno de 17%, o dobro da média nacional.

Quem pode, volta para as salas de aula em busca de qualificação. Mas o desemprego tem sido cruel com os mais escolarizados. Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), a taxa de desemprego para quem estudou oito anos ou mais supera 10%, o dobro do índice de quem não ficou mais de um ano na escola.

Jovens perderam dois milhões de postos na década de90.

Os números fazem parte de um estudo que está sendo preparado pelo economista Márcio Pochmann, da Universidade de Campinas. Segundo ele, a crise econômica que o País enfrentou na década de 90 fechou as portas de entrada do mercado de trabalho. “Os mais jovens, sem experiência profissional, perderam cerca de dois milhões de postos na década de 90”, calcula.

Expectativas exageradas atrapalham início de carreira.

Segundo analistas de Recursos Humanos, além da falta de vagas, o principal obstáculo para o início da carreira está no próprio candidato. “O maior erro de quem está começando é achar que merece um salário muito maior do que o mercado pode pagar. É melhor começar ganhando pouco”, aconselha Moema Aquino, diretora da Solução Recursos Humanos. “Não adianta fazer milhares de cursos em diferentes áreas. É melhor escolher um campo e investir nele”, completa Sandra Moreira, coordenadora de desenvolvimento de novos talentos da Manager.

Economia-O Dia
Silvia Salek
05/03/2000