Solução na Mídia

Emprego na idade madura

Falta de atualização é que restringe o campo de trabalho, dizem consultores

Ter boa rede de contatos no mercado é importante na hora de recomeçar.

O problema não está na idade do profissional, mas na falta de atualização. Segundo a diretora da Solução Recursos Humanos, Moema Aquino, em geral, quem fica para trás no mercado de trabalho são as pessoas que não acompanham as mudanças gerenciais e tecnológicas. Estar atento às transformações provocadas pela globalização é fundamental, ressalta Moema, tanto para quem perde o emprego e procura uma recolocação, quanto para quem busca uma nova atividade.

Quem deixou o tempo passar esse acomodou na função, vai perder terreno. Nesse caso, o profissional fica absolutamente desorientado, sem saber para onde correr – diz Moema, acrescentando que, passado o susto inicial, o trabalhador precisa se informar sobre o funcionamento do mercado em que pretende se inserir e que tipo de profissional as empresas estão querendo.
Outra orientação dada por especialistas é pensar bem antes de tomar qualquer decisão. No ramo de consultoria e trabalho autônomo, por exemplo,ter uma boa rede de contatos é importantíssimo na hora de dar início a um novo negócio. Assim, a chance de a nova atribuição render frutos rapidamente são maiores.

E foi nisso que o vendedor Luiz Carlos Cezar apostou quando decidiu deixar o emprego para abrir a própria empresa. Segundo ele, os contatos profissionais que fez ao longo da vida foram extremamente úteis.

Quando se tem uma longa experiência no ramo e contatos com empresas, a tranqüilidade para apostar num negócio próprio e virar o próprio patrão são maiores.É mais fácil, inclusive, ter idéia das oportunidades que nos esperam lá fora – diz ele.
Muitas empresas não abrem mão da experiência

Para Isa Oliveira e Silva, uma das diretoras da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH-Rio), o problema é que o profissional passa muito tempo no trabalho sem estar satisfeito e quando perde o emprego fica desorientado, sem saber o que fazer. Mas, segundo ela, muitas empresas continuam investindo no profissional mais maduro. Desde que atendam a certas exigências de qualificação e atualização:

Os jovens têm entrado no mercado cada vez mais adaptados às transformações.Mas a experiência é importantíssima, e nem todas as organizações estão dispostas a perder isso. Além do mais, características como equilíbrio, tranqüilidade, sabedoria e tolerância chegam com o tempo.
O consultor de marketing José Luiz Valle usa a própria experiência para provar que a história é mais complexa do que parece. Ele saiu de uma empresa de telecomunicações num PDV,em1997:

Quando se aposta num negócio próprio, é preciso estar disposto a trabalhar em dobro. É claro que sair de uma grande empresa causa insegurança no início. O processo de buscar clientes, fazer propostas de prestação de serviços assusta um pouco, mas é preciso ser persistente.
Concursos públicos exigem cada vez mais do candidato

Segundo Odete, a faixa etária média dos participantes do prosseguir é de 45 anos. O interesse pelo programa é tanto que o Sebrae-RJ já estuda a possibilidade de abrir o programa para o público. Desde 1996, quando foi criado, ele só é realizado em companhias que oferecem PDV.A medida ainda não tem data prevista para ser implantada.

Para aqueles que enxergam nos concursos públicos a chance de voltar ao mercado, uma orientação: esse tipo de seleção está cada vez mais exigente. Conhecimentos de inglês e noções de informática são pré-requisitos cada vez mais pedidos. O nível de escolaridade, também: hoje é preciso ter formação universitária em alguns concursos que antes requeriam apenas Segundo Grau Completo.

Luciana Anselmo
Boa Chance –O Globo
18 de junho de 2000.