Solução na Mídia

Plaza e Bay Market oferecem 1,1 mil empregos temporários

A pouco mais de três meses para as festas de fim de ano, muitas lojas começam a se preparar para ampliar seu quadro de funcionários, principalmente as que ficam localizadas nos shoppings centers das grandes cidades. Para se ter uma idéia, o Plaza Shopping Niterói está oferecendo 700 e o Bay Market, também em Niterói, 400. Ao todo, 10.150 vagas estão em jogo. A possibilidade de efetivação continua sendo um dos principais atrativos para quem se candidata as oportunidades.

Segundo a Associação Brasileira das Empresas de Serviço Terceirizáveis e de Trabalho Temporário (Assertem), existem, atualmente, 723.626 mil trabalhadores temporários no País. Sendo que, 15% destes no Rio de Janeiro. Até o final do ano, devem ser gerados 50.653 mil novos postos de trabalho.

Dados da Assertem mostram que, no 1º semestre de 2005 houve um aumento de 4,20% em relação aos 654 mil trabalhadores temporários do mesmo período do ano de 2004. Para o 2º semestre, é previsto um aumento de 8% em relação aos 670 mil trabalhadores temporários do mesmo período do ano de 2004 .

Para Jussara Nova Raris, superintendente de Marketing da In-Mont, administradora do Plaza Shopping, Ilha Plaza e Rio Plaza, não apenas o Natal deve movimentar as vendas de fim de ano.

"Não somente o Natal é a grande festa do ano para o comércio, como o Verão é a estação mais importante para a economia do Estado do Rio. Esta combinação, associada ao otimismo natural dos lojistas com as vendas, motiva essa estimativa tão positiva na quantidade de empregos temporários a serem criados", afirma Jussara.

E a seleção e o treinamento de pessoal já começa a ser pensado por muitos shoppings como forma de melhorar o atendimento e garantir o sucesso.

"É preciso ter tempo hábil para treinar os novos funcionários porque, para os lojistas, o importante é 'vender' um bom atendimento", diz Jussara.

As agências de emprego esperam superar os índices de 2005 e oferecer mais vagas. No ano passado, o grupo Solução RH ofereceu em torno de 900 vagas. Para 2005, a expectativa é de serem geradas 1,5 mil chances.

"Como esse período coincide com as férias e com o Verão, o setor de serviços é o que mais amplia seu quadro de funcionários", conta Moema Aquino, consultora da Solução RH.

Segundo Moema, as chances de efetivação são de, aproximadamente, 30% do pessoal. É nessa época que as empresas começam o processo de demissão e contratação de novos empregados.

A maioria das vagas temporárias é direcionada ao primeiro emprego, não sendo necessário experiências anteriores.

Possibilidades de contratação

Em geral, são aproveitados estudantes, tanto do ensino médio quanto universitário, pois a carga horária é flexível estão no início das férias.

"É importante ter conhecimentos em informática e línguas. Nessa época do ano, há muito atendimento a turistas", garante Moema Aquino, indicando que para funções mais internas, como caixa, há mais chances para pessoas desempregadas que tenham experiência do ramo.

Os trabalhos temporários, na maior parte das vezes, são comissionados. Em média, é possível ganhar de R$500 a R$600 por mês. Mas esses valores podem variar de acordo com a carga horária de cada um. Pode-se trabalhar de 8 a 12 horas por dia. Os setores que mais contratam no período das festas são, em ordem de importância, os de alimentação, acessórios e vestuário.

"As pessoas, mesmo quando não compram, comem", afirma a consultora da Solução RH.

A possibilidade de contratação após o término da temporada, é um desejo que motiva muitos candidatos. Desejo esse possível de ser realizado.

A princípio, Bárbara Conceição Estelita, funcionária da loja de departamentos Pop Shop, no Bay Market, em Niterói, trabalharia de novembro de 2001 a fevereiro de 2002 como caixa e auxiliar de atendimento na empresa. No entanto, em maio do mesmo ano, ela foi chamada para fazer parte do quadro fixo da empresa e, um ano depois foi promovida a supervisora de caixa, função que ocupa ainda hoje.

Atualmente, a supervisora de caixa pretende começar um curso pré-vestibular e ingressar numa faculdade de administração.

"Para entrar numa empresa, o importante é ter uma expectativa de melhora e responsabilidade", acredita Bárbara, acrescentando que um dia, quer ser gerente.

Já a estudante de enfermaria, Jordana Vieira, 21 anos, que trabalha durante o período de Natal, desde 2003, o emprego representa mais do que uma oportunidade profissional.

"Para mim o trabalho temporário é importante para ganhar um dinheiro extra e me sentir mais independente. Depois que comecei a trabalhar, tive um grande crescimento pessoal", conta Jordana.

Embora já tenha sido convidada para se tornar efetiva, a estudante lamenta ter tido que se recusar para dar prioridade aos estudos, mas garante que se não fosse isso, trabalharia o ano todo.

"Se eu pudesse conciliar a faculdade com o emprego, trabalharia durante o ano também", diz a estudante.

Marcia Lomelino

Jornal O Fluminense

04/09/2005